quarta-feira, 30 de setembro de 2009

TRÊS PONTOS IMPORTANTES

FICHA DO JOGO

(Clique no quadro para ampliar)

Traduziu-se numa vitória a empreitada previsivelmente difícil que o FC Porto teve de resolver esta noite frente aos espanhóis do Atlético de Madrid.

Jesualdo Ferreira, entre várias opções, decidiu-se por utilizar o polivalente Tomás Costa no lugar do castigado Fernando. Foi uma aposta que não sendo de todo falhada também não se confirmou ganha. O argentino acusou algumas limitações embora não tenha comprometido os processos defensivos se exceptuarmos um lapso de palmatória que Helton conseguiu resolver. No entanto, creio que a sua inclusão acabou por determinar o fraco rendimento do meio campo, onde Meireles voltou a estar desastrado no capítulo da colocação da bola, insistindo no passe longo quase sempre mal dirigido, processo aliás que se alastrou a outros elementos.

A forte organização defensiva do Atlético combinada com pouca lucidez do passe dos portistas, resultaram num jogo fastidioso, mal jogado e inofensivo.

Pertenceram aos madrilenos os remates mais perigosos da primeira parte. Diego Forlan e Sergio Aguero, levaram o perigo à baliza portista, valendo a atenção e classe de Helton.

Só nos últimos minutos da primeira parte os Dragões deram um ar da sua graça em dois lances bem urdidos. No primeiro, Mariano Gonzalez apareceu solto na área, introduziu a bola na baliza com um remate forte e certeiro, mas estava deslocado. No segundo foi Meireles que apareceu desmarcado, rematou ao poste, mas o jogo foi mal interrompido por pretenso fora de jogo.

Entretanto já o Atlético tivera que recorrer ao seu terceiro guarda-redes, por lesão de Roberto.

No segundo tempo voltou a vir ao de cima a boa organização defensiva dos madrilenos bem como a sua melhor capacidade de passe, que lhe rendeu mais duas jogadas de golo iminente. Ujfalusi depois de uma boa combinação colocou Helton em apuros e mais tarde Juanito cabeceou livre de adversários, no coração da área, uma bola que saiu a rasar a barra. Foram dois sustos que terão alertado Jesualdo.

Fredy Guarín entrou para o lugar de Raul Meireles, saindo Tomás Costa. O português recuou para trinco e simultâneamente o FC Porto subiu a sua produção. Em poucos segundos fez o remate mais perigoso dos azuis e brancos e os colchoneros sentiram mais que nunca a necessidade de recuar ainda mais.

Depois foi o desbobinar em crescendo do futebol à Porto, com Hulk, Falcão, Belluschi e o melhor em campo, Fucile, a embalar para um final de jogo de grande qualidade que rendeu dois bons golos e outras boas oportunidades. Falcão abriu a contagem com um golo à Madger (de calcanhar) e Rolando fechou as contas numa recarga oportuna de uma bola que batera no poste, depois de cabeceada por Bruno Alves.

Vitória difícil e muito importante, por ser conseguida em casa, onde não se devem perder pontos e por contribuir para o aumento dos níveis de confiança de que esta equipa necessita. O FC Porto ocupa agora o segundo lugar do Grupo e receberá o Apoel do Chipre, no próximo dia 21 de Outubro.

6 comentários:

fimoze disse...

Cheguei a pouco do Dragão com a alma lavada e orgulhoso pela vitória. Comentários mais ou menos iluminados a criticarem o Jesualdo, o Tomas Costa, o Mariano e se calhar o resto da equipe, deixo para os puristas que não se contentam só com os três pontos.

dragao vila pouca disse...

Gostei e gostei durante todo o jogo, embora tivessemos sido mais exuberantes após a entrada de Guarín e a passagem de Meireles para trinco.
Hulk fantástico; Falcao ponta-de-lança que vale vinte golos por época e que marcou um golo onde está tudo: talento, génio e principalmente, sentido de oportunidade. O colombiano só podia marcar daquela forma.
Mas quem foi a alma, a crença, a coragem e a raça do Dragão, foi Fucile. O uruguaio foi grande, nunca baixou o ritmo e mesmo quando as coisas não se resolviam, nunca baixou os braços. Simão, Forlan, Jurado...todos no bolso de um Fucile fantástico.


Um abraço

Vitor Daniel disse...

Foi um jogo onde a equipa teve de deixar tudo em campo, para conquistar os 3 pontos, perante as baixas importantes ( Fernando e Varela ), todos tiveram que dar o máximo á equipa e assim foi, o jogo ficou marcado pelo mágnifico golo de Falcão.
Parabéns a equipa pela boa exibição é já estamos quase lá.

Um abraço, http://varanda-do-dragao.blogs.sapo.pt/

ninja disse...

Fucile claramente o melhor em campo. Que exibição fantástica. Falcao está a encher-me as medidas e é um fantástico finalizador.

Importante vitória. Agora temos tudo para passar.

Abraços

Gaspar disse...

Gostei do jogo.
Uma segunda parte - na minha opinião - mais ofensiva por parte dos azuis e brancos, com o golo de Falcao a merecer completo destaque nesta partida.
Vamos em frente!

Gaspar

Anônimo disse...

Exibições fantásticas de Fucile, Hulk, Falcão e Helton. Jesualdo acertou com Guarin... desta vez.
E a goleada (?!!) em Atenas?
Bastou encontrarem uma equipa menos fraquinha e... lá se foram as goleadas. E aí está o futebol medíocre de um grupo cheio de jogadores na pré-reforma.
Em 1987, antes da final entre FC Porto e Bayern, um benfas frustrado manifestou a sua vontade de que a equipa da Invicta perdesse. A partir daí 2 clubes em Portugal me dão alegrias: o FC Porto quando ganha e o Benfica quando perde. Hoje estou radiante!

Fernando Moreira - V. Real