quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

OS DEUSES DEVEM ESTAR LOUCOS!

FICHA DO JOGO

(Clicar no quadro para ampliar)


Em noite freneticamente louca, imprópria para cardíacos, o FC Porto teve os Deuses pelo seu lado, num jogo aguardado com alguma expectativa, após o comprometedor empate caseiro na prova rainha do calendário futebolístico português.

Frente a um adversário pretensamente com o moral em baixo pela frustrante prestação na Liga, onde não vence desde a 2ª jornada, tendo perdido três dos últimos quatro jogos e lutando ainda contra a adversidade de não se poder apresentar na máxima força, em função de várias lesões e castigos, o FC Porto, com quase todos os titulares habituais, era à partida o grande favorito.

Porém, o Belenenses apresentou-se completamente transfigurado e determinado em rectificar a pálida imagem, colocando surpreendentes e inesperadas dificuldades.

Logo aos 13', num período de futebol desgarrado, incaracterístico e mal jogado, Lima fugiu entre Rolando e Fucile, viu bem a saída extemporânea de Beto e aplicou-lhe um vistoso e eficaz chapéu, inaugurando o marcador.


Os Dragões, acicatados no seu orgulho, responderam de pronto com Rodríguez a assistir primorosamente Falcao para o golo do empate (1-1). Este lance teve o condão de motivar os tetracampeões e vencedores em título da Taça de Portugal que construíram novas oportunidades para alterar o marcador, mas Varela (em evidente descida de forma) não foi capaz de dar o melhor seguimento a duas situações.


A segunda parte trouxe mais perigo pelos portistas mas o golo voltou a pertencer a Lima, o avançado brasileiro do Belenenses, que numa bela jogada concretizou com êxito, num remate portentoso, batendo pela segunda vez Beto, sem apelo nem agravo. Curiosamente a resposta surgiu quase de imediato por Rodriguez, após cruza
mento de Álvaro Pereira (2-2).

O Jogo foi para prolongamento e o Belenenses continuou a importunar ao ponto de Rodríguez ter sido obrigado a cometer uma falta cirúrgica,evitando que Fredy se isolasse na área portista, tendo visto por isso o respectivo cartão vermelho.

O jogo só ficaria resolvido após emocionante e longa maratona de 30 penáltis, cabendo a Farías classificar o FC Porto para os quartos-de-final da Taça d
e Portugal:

O FC Porto vem demonstrando de jogo para jogo, uma crescente e preocupante instabilidade e perda de confiança. Pratica um futebol sem chama, desorganizado, trapalhão, previsível e ineficaz. Mais uma vez evidenciou falta de «estaleca» e falta de fibra de campeão.

Para cúmulo, Silvestre Varela que se vinha cotando como um dos melhores parece estar a afundar-se na mediocridade geral.

É cada vez mais evidente a falta de um patrão, alguém que assuma o comando do jogo, determine o ritmo, que jogue e faça jogar. Esta lacuna tem influenciado negativamente a desenvoltura da equipa, evidenciada a cada jogo, quer na forma como ataca quer como defende, provocando constantes perdas de bola nas transições originando graves descompensações que colocam a defesa em situações aflitivas ou mesmo insanáveis, mesmo frente a adversários de menor cotação.

Jesualdo Ferreira anda desorientado e incapaz de gizar soluções. As incompreensíveis substituições que promove são a prova disso mesmo, contribuindo decisivamente para agravar a situação. A troca de Falcao por Mariano não lembra nem ao diabo. Tirar o defesa direito Fucile deslocando para o seu lugar o trinco Tomás Costa foi outra invenção inconcebível.

Temo que esta equipa não mais se encontre e transforme o que resta das competições num autêntico Calvário!



9 comentários:

Anônimo disse...

Valeu Beto! Mas é confrangedor o jogo do Porto. A cada encontro as coisas pioram: não há fio de jogo, parece nem haver plano/estratégia. Como é possível? Onde estão a garra, o querer, a vontade de ganhar? O meio-campo é uma nulidade, não alimenta o ataque e desguarnece a defesa. Beluchi nem tão-pouco Valeri são solução. Agora até a defesa mete água! Ao fim de cada jogo já estamos a pensar no descalabro e no sofrimento que o seguinte nos reserva… Não entendo como a equipa, de um ano para o outro, soçobrou assim. E logo agora que devíamos encostar os milhafres às cordas!
F. Moreira

dragao vila pouca disse...

Apenas duas notas: há semanas pensava que o F.C.Porto, em termos ixibicionais, já tinha batido no fundo. Não bateu e não tenho a certeza que tenha batido ontem.
Mas há algo que me tranquiliza enquanto portista apaixnado: passei os olhos na net e é como se tivessemos perdido o que é um sintoma que os adeptos do F.C.Porto continuam com a cultura de exigência como lema. E meu caro, quem tem essa cultura só pode ter um grande futuro.

Um abraço

Gaspar disse...

Que exibição fraca..
Por um lado, Beto esteve mal no primeiro golo, por outro.. Salvou-nos nos pénalties..
Enfim, temos muito a melhorar, muito mesmo!

Gaspar

Anônimo disse...

Carolina Salgado

Entrevista ao SOL já foi entregue ao Tribunal do Porto

Felícia Cabrita, jornalista do SOL, enviou hoje ao Tribunal de S. João Novo, no Porto, uma cópia da gravação da entrevista que Carolina Salgado nega ter dado ou autorizado (com áudio)


Em quase três horas de entrevista, as afirmações feitas pela ex-companheira de Pinto da Costa contrariam as que fez depois no seu livro e no processo Apito Dourado.

Carolina Salgado negou no Tribunal de S. João, no Porto – onde está a ser julgada por difamação, por causa do livro Eu, Carolina – ter dado ou autorizado qualquer entrevista à jornalista do SOL, Felícia Cabrita e a Ana Sofia Fonseca. A pedido do tribunal, onde já tinha ido depor no dia 25 de Novembro, a jornalista enviou hoje uma cópia dessa entrevista, feita em finais de 2006 e presenciada por Fernanda Freitas (que escreveu o livro de Carolina), a propósito de uma biografia de Pinto da Costa (publicada na revista deste semanário em 11 de Novembro desse ano).

Em julgamento estão seis processos, com origem em queixas movidas por Carolina Salgado e pelo presidente do FC Porto. Pinto da Costa é arguido num processo, por alegadas agressões a Carolina, em 6 de Abril de 2006, após a separação do casal. Nos restantes processos, Carolina responde pelos crimes de difamação de Pinto da Costa e do seu advogado Lourenço Pinto (por causa do conteúdo do livro Eu, Carolina), de incêndio nos escritórios deste e ainda por tentativa de ofensa à integridade física do médico Fernando Póvoas.

Na entrevista ao SOL, Carolina fez declarações contraditórias com as que veio a publicar um mês depois no livro (publicado em Dezembro de 2006). Por exemplo, no livro, nomeia ora Lourenço Pinto ora Joaquim Pinheiro (irmão de Reinaldo Teles) como as pessoas que avisaram Pinto da Costa de uma busca judicial no âmbito do ‘caso Apito Dourado’, que o levou a fugir para Espanha. Na entrevista, porém, Carolina nunca refere o nome de Lourenço Pinto. Além disso, Carolina relata que teria sido Pinto da Costa a «dar a ordem» para «limpar» o antigo vereador socialista de Gondomar, Ricardo Bexiga.

Depois de Felícia Cabrita ter prestado declarações como testemunha, no passado dia 25 de Novembro, Carolina Salgado afirmou ao Tribunal: «Não dei autorização para entrevista nenhuma nem para ser gravada». O Tribunal decidiu então pedir a gravação da entrevista para eventual junção ao processo – o que Felícia Cabrita fez hoje.

SOL

Anônimo disse...

Já leram no "Futebolar" o artigo "Sem resposta" mas é de ler tudo sobretudo a ultima parte.

Anônimo disse...

Já leram no "Futebolar" o artigo "Sem resposta" mas é de ler tudo sobretudo a ultima parte.

Anônimo disse...

"O Caso Calabote" em livro meio século depois
Data : 22-01-2010 - 1:00 Foto : DR



“O Caso Calabote” chega às livrarias na próxima semana. O livro do jornalista João Queiroz, publicado pela editora Quidnovi, explica uma das maiores e mais duradouras polémicas do futebol português, 50 anos depois. Ao longo de 127 páginas, procura-se apurar os factos com valiosos testemunhos de quem acompanhou de perto um episódio pleno de controvérsia. A apresentação do livro será no próximo dia 7 de Fevereiro, pelas 17h30, na Livraria Bertrand, no centro comercial Dolce Vita Porto, junto ao Estádio do Dragão.

Leia a nota introdutória do livro sobre "O Caso Calabote" na edição impressa do GRANDE PORTO, já nas bancas

Anônimo disse...

O EPISÓDIO DE ONTEM NÃO É INOCENTE E SÓ TEM O OBJECTIVO DE NOS CALAR FACE ÀS VERGONHAS DE ARBITRAGENS SEMANA APÓS SEMANA SEMPRE EM BENEFICIO DO CLUBE DO REGIME... ENQUANTO ISSO, O HULK, O NOSSO JOGADOR MAIS INFLUENTE, CONTINUA DE FORA E NINGUÉM FALA... CONCLUSÃO: ESTE ANO A COISA FOI DE TAL MANEIRA MONTADA QUE SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER!
FACE A ISTO RESTA-NOS ESTAR AINDA MAIS UNIDOS EM TORNO DO NOSSO CLUBE E PRESIDENTE!
UM ABRAÇO
PORTISTA DE CASCAIS

Anônimo disse...

Portuscalle 22 Jan 10 22:48 -

Acabo de ler, no "conceituado" jornal desportivo Record, de 22/01, o seguinte:

"Há poucas semanas, João Jorge Elias Martinho, que se constituiu assistente do processo originário mas que nunca compareceu em tribunal, requisitou ao Tribunal de Condomar, todos os CD's com as escutas do processo. Elias Martinho foi referido, em 2007, pela sua advogada Joana Pimenta, como "antigo dirigente do Benfica"".


Requisita-se os CD's de um processo, seja ele qual for, será possível?.

in Futebolar ("Escutas publicadas:O tiro na culatra dos benfiquistas")