sexta-feira, 30 de outubro de 2009

CONCRETIZAÇÃO DO CASTIGO AMEAÇADOR

FICHA DO JOGO

(Clicar no quadro para ampliar)

As últimas exibições deixavam adivinhar o castigo a qualquer momento. Sabidas das dificuldades que a equipa sempre encontra frente a formações bem organizadas defensivamente, Jesualdo Ferreira demonstrou não ter descoberto ainda as soluções adequadas para as ultrapassar, confiando demasiadamente no destino, na convicção que este cumpriria a missão de proteger o mais forte.

Tal como nos jogos anteriores, o professor deixou «rolar o marfim» durante os primeiros 45', renunciando à tomada de decisões, face às miseráveis prestações nesses períodos. Períodos longos de mais para ficar na expectativa. São até demasiado curiosas as suas palavras após as partidas evocando as más prestações como se nada tivesse a ver com o assunto. Caso esteja distraído, é da sua competência tentar alterar o rumo dos acontecimentos, o mais depressa possível.

Foram pois mais 45' duma pobreza franciscana, dose exagerada e imerecida para os Super Dragões, sempre incansáveis no apoio e incitamentos.

Depois do intervalo, então sim, mudou o sistema, passando para um 4x2x4, com a saída de Bellushi, reaparecido após lesão e cujo desempenho não foi além do sofrível, substituído por Falcao. O meio campo ficou entregue a Fernando e Meireles, alargando-se a frente de ataque com Mariano, Falcao, Farías e Hulk. Estava dado finalmente o sinal que deveria ter acontecido muito mais cedo.

Um golo fortuito, sofrido nos instantes iniciais do segundo período, num dos raríssimos contra-ataques, acabou por complicar ainda mais a tarefa portista. O assalto à baliza do Belenenses passou a ser frenético e avassalador, a maior parte das vezes sem o descerenimento devido, utilizando mais o coração do que a cabeça, com os prejuízos daí inerentes.

Criaram-se ocasiões mais que suficientes para alterar o marcador e construir um resultado folgado, mas só Farías por uma vez conseguiu acertar nas redes.


Castigo um tanto imerecido, pelas oportunidades despediçadas no segundo tempo, mas inevitável por mais uma primeira parte incompreensível.

Bruno Alves foi para mim o mais inconformado jogador azul e branco e um dos poucos que merecia algo mais. Aos 90' ainda fez estremecer o ferro da baliza contrária.

A nota negativa vai para o Professor Jesualdo Ferreira, único responsável por um conjunto de jogos em que se alheou das primeiras partes, limitando-se a fazer algumas correcções tardiamente. Estava à vista que mais tarde ou mais cedo sofreria as consequências. Mantenha as sua teimosias se quiser lutar pelo segundo lugar!

Caro Professor, quando se tem que solicitar a presença de mais adeptos no Estádio, é muito mau prenúncio. Para bom entendedor...

7 comentários:

dragao vila pouca disse...

Jesualdo no fim do jogo: «Não é fácil jogar em espaços reduzidos, sem possibilidade de aplicar o nosso processo».

Penso que não é preciso dizer mais nada e pela voz do treinador temos o assumir que somos uma equipa de contra-ataque e frente as estas equipas que só defendem, não saem para jogar e raramente atacam, temos problemas.

É isto, mas é isto, não de agora, mas desde sempre.

Impressionante a falta de coragem para mudar, quando e ainda na 1ª parte, já entrava pelos olhos dentro que ia ser mais do mesmo. Impressionante a incapacidade para ler bem o jogo e tirar um coelho da cartóla...

Não peço a cabeça do treinador, nem atiro a toalha ao chão, até porque na época passada e no pior dos cenários, estavamos na mesma posição. Mas alguém vai ter de fazer qualquer coisa e dar o grito do Ipiranga que Jesualdo não dá.

Um abraço

Gaspar disse...

Não vi o jogo, mas vi resumos e resumos e ouvi comentários. Parece que, há semelhança com os jogos frente ao Apoel e à Académica, apenas jogámos bem na segunda parte, e mesmo assim sofremos.
Não percebi o porquê de Falcao começar no banco.
Farías foi, mais uma vez, o marcador de serviço, e acho que cada vez mais Jesualdo Ferreira deve apostar nele ao lado de Falcao.

Gaspar

dragao e tripeiro disse...

Nao podemos facilitar desta maneira se queremos ser Penta...

Anônimo disse...

Está visto: há 2 clubes em Portugal que me dão alegrias - o FC Porto quando ganha e o Benfas quando perde! Infelizmente hoje só posso congratular-me com a 2.ª parte da cartilha. O Bom-Jesus, o Domingos (vai ser ele… no futuro…) e a briosa equipa bracarense limparam o sebo ao Madeixas-Jesus (deve poisar a pastilha elástica na mesinha de cabeceira para, no dia seguinte, continuar a mascar!), ao Flip-Pó-Vieira e à turma do mergulho e da borralhada nos túneis.
Tenhamos fé que o nosso FCP entre no trilho a que nos habituou. Nós queremos festejar mais um Penta, não é verdade? VIVÓ PORTO!
Fernando Moreira

Vitor Daniel disse...

Nós Portistas somos de fibra e sabemos ser fieis até ao fim por este F.C.Porto, acredito no Penta, temos que melhorar é certo, mas se vier ao se cima a alma do Dragão nos adeptos e na equipa seremos todos Penta-Campeões!!!

Eu acredtio e por amor de deus ja chega os assubios!!

Um abraço, http://varanda-do-dragao.blogs.sapo.pt/

Ricardo de Sousa disse...

Continua com total confiança no Penta e no professor.
Mas algumas situações teem que ser alteradas.
A começar pela postura e atitude durante 90 minutos.

A tua última frase é sintomática. O futebol praticado, só por si, deveria chamar adeptos ao estádio... e se eles não vão...

Abraço

AZUL DRAGÃO disse...

Calma minha gente !

Não se esqueçam que temos à frente do F.C.PORTO o "guru" do futebol.
Se ele , que acompanha tudo o que se passa confia no Professor ,
por alguma razão será !
Ou não será ?

Um abraço