domingo, 9 de março de 2008

A DEZ PONTOS DO TRI


Palco do Jogo: Estádio do Dragão - Porto
Assistência: 31.109 espectadores
Competição: Bwin Liga - 22ª jornada
Hora do jogo: 19:00 h
FC Porto: Helton; Fucile, Pedro Emanuel, Bruno Alves e Marek Cech; Paulo Assunção, Raúl Meireles (Lino 90') e Lucho Gonzalez; Quaresma Mariano Gonzalez 80'), Lisandro Lopez e Tarik Sektioui (Farías 71')
Suplentes não utilizados: Nuno, João Paulo, Kazmierczak e Adriano
Treinador: Jesualdo Ferreira
Árbitro: Cosme Machado - Braga
Marcadores: Quaresma (31')
Acção disciplinar: Cartões amarelos para Quaresma (69'), Paulo Assunção (81') e cartão vermelho para Mariano Gonzalez (90')




Quem se deslocou ao Dragão na expectativa de assistir a um jogo de futebol bem disputado, terá saído defraudado, tal foi o apagão colectivo com que a equipa do FC Porto brindou os seus adeptos.

Frente a uma Académica muito fechada na primeira parte, demasiado retraída e incapaz de importunar a defesa portista, os Dragões optaram por uma toada morna, relaxada e pouco inspirada, assim a modos que de um treininho para desentorpecer os músculos, demasiado castigados pelos 120' do jogo de Quarta-feira passada.

E neste ritmo sonolento o Porto foi controlando qb o jogo, que levou um safanão cerca do primeiro quarto de hora, altura em que Lucho desmarcou o seu compatriota Lisandro para este atirar para as malhas, obtendo um golo de boa execução técnica. Mas o árbitro assistente entendeu que a exibição portista não merecia tal prémio e decidiu levantar a bandeirola, assinalando um fora de jogo inexistente (mais um!).

Foi necessário esperar mais outro quarto de hora, depois de várias tentativas frustradas de colocar bem a bola ao alcance dos rematadores, para que as redes voltassem a ser violadas. Desta vez por Quaresma que disparou forte contando com a colaboração do guarda-redes Pedro Roma que ficou muito mal na fotografia (felizmente este não é dos emprestados pelo FCP, senão lá tínhamos motivos para mais um processo do Apito Dourado).

A primeira parte acabaria sem grandes motivos de interesse, a revelar muita falta de concentração.

O segundo tempo começou ainda pior. Mais confuso, mais desligado e com a mesma falta de inspiração o Porto foi-se arrastando no relvado. O resultado era favorável e os jogadores entenderam que não necessitavam de forçar muito.

A Académica aproveitou para se adiantar um pouco mais, mas sempre sem intimidar. Não conseguiu criar um único lance de perigo.

Jesualdo parecia resignado com a exibição e talvez por isso só fez alterações a partir do minuto 71. A entrada de Farías mexeu um pouco com a dinâmica atacante e os azuis e brancos, especialmente nos últimos dez minutos conseguiu finalmente criarem mais duas boas situações de golo, por Lucho e Lisandro. O primeiro atirou por cima e o segundo obrigou Pedro Roma a redimir-se do golo sofrido.

Até final ainda houve tempo para o árbitro dar o seu contributo ao fraco espectáculo, exagerando na amostragem do cartão vermelho a Mariano Gonzalez.

Salva-se o resultado, muito melhor que a performance.

O Porto fica agora a dez pontos do êxito.

5 comentários:

JCC disse...

Por este andar ainda vamos dar uma volta de adianto como na formula 1.
Mais vale começarmos a jogar à 5ª jornada.

JoJosho disse...

See Here or Here

dragao vila pouca disse...

Era difícil pedir mais, depois daquela noite terrível de quarta-feira, mesmo assim foi uma vitória justa e que nunca esteve em causa.
Como motivar a Nação portista para o resto da época?
Um abraço

JCC disse...

atenção que este gajo JOJOSHO pós uma armadilha se clicarem aí vai dizer que apanhamos nao sei quantos virus, e para instalar-mos um programa para removelos.

Nicolau d'Almeida disse...

A exibição fraca deveu-se à ressaca que se seguiu à eliminação da Champions. Agora, há que parar de chorar pelo que não se conseguiu. Tem que se dizer adeus à falta de motivação que decorreu dessa eliminação e continuar como até aqui na luta pelo Tri e pela Taça. Ainda não ganhamos nada, nem a época acabou. O Porto terá que voltar ao seu nível para conquistar os objectivos que faltam. Quem não tiver motivação, então, que ceda o seu lugar a outro atleta. Temos que dar força ao rapazes para o que falta da temporada.

Cumprimentos.