sábado, 4 de setembro de 2010

DESASTRE DEFENSIVO!

FICHA DO JOGO


(Clicar nos quadros para ampliar)

A equipa nacional cedeu um inesperado empate frente a uma equipa de menor classe e potencial, muito graças a erros defensivos de palmatória.

O Chipre nunca antes sequer tinha empatado frente a Portugal e, mais impressionante ainda, só tinha logrado marcar dois golos nas oito anteriores partidas entre as duas selecções. Os visitantes precisaram apenas de três minutos para ganharem vantagem no Estádio D. Afonso Henriques.

Com Miguel alheado da jogada, Aloneftis combinou bem com Konstantinou aparecendo isolado perante Eduardo, que tinha saído da baliza a tentar encurtar o ângulo, com o médio cipriota a executar um "chapéu" fazendo a bola entrar calmamente na baliza portuguesa.

Portugal reagiu bem à adversidade e restabeleceu a igualdade cinco minutos volvidos, quando Nani cruzou bem da direita, aparecendo Hugo Almeida a facturar com um vistoso desvio de cabeça para o poste mais distante da baliza à guarda de Georgallides.

O Chipre voltaria a beneficiar de novo erro defensivo de Portugal para fazer o 2-1 aos 11 minutos. Raul Meireles, ao tentar controlar uma bola enviada para as costas do sector defensivo português, colocou a bola ao alcance de Konstantinou que agradeceu o brinde aproveitando para tirar Eduardo do caminho, atirando a contar.

Novamente obrigado a correr atrás do prejuízo, Portugal lançou-se desesperadamente no ataque, logrando os seus intentos ao minuto 29, num remate de fora da área de Raul Meireles que bateu Georgallides. Apesar do intenso domínio e do desperdício de boas oportunidades, a verdade é que o intervalo chegou com as duas equipas empatadas a dois golos.

Na etapa complementar Portugal apareceu disposto a fazer reverter o resultado a seu favor. Aos 50 minutos, Ricardo Quaresma cobrou um canto no lado esquerdo que a defesa cipriota não conseguiu anular por completo, tendo o esférico sobrado para Coentrão, que parou no peito e cruzou para o cabeceamento vitorioso de Danny.

Todos acreditaram que, com Portugal pela primeira vez em vantagem no marcador, já não deixaria fugir a vitória, contudo, sete minutos volvidos os cipriotas voltariam a aproveitar a desconcentração da defesa portuguesa para repor a igualdade.

Portugal foi rápido a responder e três minutos mais tarde, Manuel Fernandes ao desferir um remate indefensável de pé direito ainda de fora da área, dava nova vantagem à equipa portuguesa. Estava feito o 4-3.

O ritmo frenético da partida e do marcador abrandou finalmente, apesar de Nani e Liedson ainda terem acertado nos ferros da baliza cipriota. Tal desperdício viria a revelar-se fatal aos 89 minutos, já que Avraam aproveitou nova falha defensiva portuguesa para apontar o 4-4 final.

Resultado que castiga a péssima prestação defensiva da equipa portuguesa.

Destaque para os bonitos golos portugueses e para a exibição de Ricardo Quaresma, o melhor jogador em campo.

O portista João Moutinho foi chamado ao jogo a dez minutos do final, sem tempo para se fazer notar.

4 comentários:

Dragão Azul Forte disse...

O piloto automático avariou... (Ou)viram-se quatro estrondos e a nave despenhou-se. O Afonso Henriques esacapou ao embate mas ficou danado. Diz ele que andou ali mão moura...

Anônimo disse...

Sem dúvida que o Quaresma foi melhor em campo.

reine margot disse...

E, sem dúvida e usando as palavras e os nomes todos, que o Bruno Alves foi a "desatenção na defesa" no 3º golo!... Sempre jogou muito bem de frente para a bola; quando esta lhe é posta nas costas ...não dá uma para a caixa. Já foi assim contra o Arsenal no descalabro onde todos apontaram o Fucile como grande culpado. Ontem ainda para mais, brincou...enfim, acontece aos melhores. Não que eu ache que ele o seja como central no futebol de hoje, mas...

Super Dragões disse...

Venham apoiar a nosso equipa nos jogos do campeonato no Estádio do Dragões e para a fase de grupos da Liga Europa.

Saber mais em:

http://superdragoes.com/

Próximo jogo:

F.C.Porto x SCBraga