domingo, 25 de novembro de 2007

DE VOLTA ÀS VITÓRIAS

Palco do Jogo: Estádio do Dragão - Porto
Assistência: 37.309 espectadores
Competição: Bwin Liga - 11ª jornada
Hora do jogo: 18:15 h
FC Porto: Helton; Bosingwa, P. Emanuel, B. Alves e M. Cech; P. Assunção (Kazmierczak 86´) , Lucho G. e R. Meireles (Farías 86'); Quaresma, Lisandro L. e T. Sektioui (Mariano G. 63').
Suplentes não utilizados: Nuno, João Paulo, Fucile e H. Postiga
Árbitro: Carlos Xistra - Castelo Branco
Marcadores: Lisandro L. (6') e Quaresma (86')
Acção disciplinar: Cartões amarelos para Bosingwa (11'), P. Assunção (36'), P. Emanuel (79') e R. Meireles (85')



Num jogo que se previa de dificuldade elevada o Porto entrou bem e disposto a resolver o mais depressa possível a contenda para, por ventura, poder gerir o esforço, face aos próximos compromissos que constituem um final de ano verdadeiramente trabalhoso.

Logo aos 6' Lisandro Lopez, aproveitando um bom trabalho de Lucho que lhe endossou a bola depois de tirar dois adversários do caminho, abriu o activo, de pé esquerdo aproveitando a saída do guarda-redes sadino.

A ganhar desde cedo, o Porto tomou conta das operações e partiu para uma exibição pausada, controlada e inteligente, nunca dando aso a quaisquer surpresas anulando toda e qualquer veleidade do adversário, que diga-se jamais conseguiu constituir algum perigo.

As oportunidades para dilatar o resultado foram sendo criadas e esbanjadas. Ficaram-me na retina, primeiro um excelente momento de Lisandro por volta do quarto de hora, ao driblar dois adversários à entrada da área apenas fracassando no remate sem força que Eduardo defendeu e depois aos 49' uma jogada de Lucho que entrou pelo lado direito da área sadina, fintou o guarda-redes e rematou às malhas laterais.

Pelo meio ficou ainda um penalty por assinalar sobre Lisandro que Xistra, equipando de vermelho, não quis sancionar.

O segundo golo apareceu com toda a naturalidade aos 86' por Quaresma que disparou forte a cerca de 25 metros da baliza fazendo um belo golo e dando uma expressão mais justa ao resultado.

A partir daí Jesualdo mexeu na equipa que continuou a dominar o jogo com toda a tranquilidade.

Os homens do jogo foram Lisandro e Quaresma não só pelos golos. P. Emanuel esteve bem como quase toda a equipa.

2 comentários:

Paulo Pereira disse...

Já não era sem tempo, diga-se. A exibição foi bem conseguida, num domínio total de um oponente k ostentava o rótulo de invencível. Quaresma de volta aos velhos tempos, espalhando magia pelo relvado, assumindo o protagonismo k, por momentos, parecia pertencer por inteiro a Carlos Xistra. Inenarrável a decisão de não marcar grande penalidade, numa altura crucial do jogo, quando Lisandro foi literalmente atropelado. Nada a que não estejamos habituados.

Bom tónico para os desafios futuros, começando já na 4ª feira, num ambiente hostil e perante um plantel de milhões. Acredito k podemos, desde já, carimbar o passaporte para a fase seguinte.

Abraço,

AZUL DRAGÃO disse...

Porto seguro ...

pena foi que tivesse um chefe de cais (Xistra) do 3º mundo !